Cape Town | o que fazer

Por Rachel Duarte

Cape Town é uma cidade fascinante, que proporciona várias opções de entretenimento e sensações.  Oficialmente são faladas 11 línguas (afrikaans, inglês, ndebele, northern sotho, sotho, swazi, tswana, tsonga, venda, xhosa e zulu) e todo mundo se entende! O povo é mega simpático e educado, o que torna tudo mais acolhedor. O clima é parecido com o Rio de Janeiro, porém venta demais, o que pode causar um friozinho se estiver na sombra. Tudo é super civilizado, o que me surpreendeu bastante para falar a verdade. Imaginava outra coisa. Adoro surpresas  positivas ;)

É um lugar que vale muito a pena conhecer e aproveitar os dias de férias, mesmo sendo uma viagem desgastante, principalmente se você sai de uma cidade que não seja São Paulo.

Saímos do aeroporto Santos Dumond, no Rio de Janeiro, sentido aeroporto de Guarulhos, o internacional de São Paulo, voando Gol. De lá embarcamos para Johannesburgo pela South African Airways - ótima companhia aérea, por sinal. Há opção de refeições com carne, frango e vegetariana para todos os passageiros, sem precisar se preocupar caso tenha esquecido de comunicar sua restrição alimentar! O que me deixou extremamente feliz, já que eu só como frutos do mar. Os vinhos são da região de Stellenbosch, importante área produtora dos vinhos africanos. Eles são servidos em garrafas babys, o que me agrada muito mais do que os copos que eu sempre tenho que pedir um refil :p
Continuando a saga voos, embarques e desembarques: o voo de SP para Johannesburgo dura umas 9 horas. O que se você for dormindo passa rápido, mas como fomos de tarde a vontade de dormir era zero. Em Joburg (como as pessoas locais chamam Johannesburgo) esperamos mais 2 horas e partimos para Cape Town. O avião foi um South African Express. Mais 2 horas de voo.

No aeroporto de Cape Town fomos recepcionados pelo Adriano da Kobo Safaris, que nos levou até o nosso hotel, o Southern Sun, que fica perto do Waterfront e dá pra ver a roda gigante da janela :)
Não é um hotel 5 stars, mas 3 ou 4 stars e gostamos bastante. Foram 2 camas de casal, banheiro com chuveiro e banheira separados, excelente café da manhã com várias opções e ainda um shuttle de graça para o Waterfront (funcionava até 23:15 saindo do Waterfront. O primeiro horário não lembro).

Waterfront - Cape Town - África do Sul
Waterfront vista do quarto do Southern Sun

DIA 1

No dia de chegada fomos dar nossa primeira volta no Waterfront, oficialmente chamado de Victoria & Alfred Waterfront. É um porto no qual as embarcações e a vida marinha dividem espaço com excelentes opções de restaurantes, um shopping center repleto de boas lojas, um aquário, bancos, lojas de artesanato local entre outras coisas. É lá que fica o famoso Clock Tower, que estava pintado de amarelo e preto, diferente das outras fotos no qual estava em vermelho e branco. E a Nobel Square, que são esculturas das 4 personalidades africanas que receberam o prêmio Nobel da paz, entre elas o Mandela, obviamente.

É do Waterfront que partem os onibus do Hop on hop off. É daqui que também saem os barcos para a visitação a Robben Island, ilha na qual Mandela passou preso por mais tempo, e outros passeios de barco.

Waterfront - Clock Tower - Cape Town - África do Sul
Clock Tower
waterfront - Nobel Square - Cape Town - áfrica do sul -
Nobel Square

Quando chegamos à África do Sul, havia se passado somente 5 dias da morte de Nelson Mandela. Em todos os lugares chovia homenagens a ele e uma delas foi essa na Nobel Square.

 Fomos jantar no Harbour House, que é um restaurante de dois andares, sendo o de baixo restaurante e o andar de cima sushi bar. A comida é excelente!! Um prato foi de atum (o melhor da vida!!) e o outro prato era de um peixe chamado gurnard (não achei tradução) delicioso. Pra acompanhar, pedimos vinhos africanos. De sobremesa pedimos uma torta de chocolate e um cheesecake assado incrível de tão bom (não tem fotos das sobremesas, devoramos tudo!).

onde comer em cape town - waterfront - africa do sul
O atum amado!
onde comer em cape town - waterfront - africa do sul
O gurnard delícia!


DIA 2

Em nosso segundo dia acordamos um pouco tarde e fomos fazer um city tour. Começamos pela Table Mountain, que tem 1.085 metros de altura e uma vista incrível de 360 graus da cidade. Eu tinha até pensado em fazer um passeio de helicóptero, mas depois que soube da amplitude dessa vista desisti e não me arrependi!
O bondinho pra chegar até o topo custa R215 = R$49 - adulto / R105 = R$24 - criança. Ele vai subindo e girando 360 graus pra todos os turistas verem a vista. Dura uns 4 minutos cada trajeto. O preço que dei aí em cima é para ida e volta, pois há também a opção de ir ou voltar por trilha.

table mountain - o que fazer em cape town - africa do sul
Subindo

table mountain - o que fazer em cape town - africa do sul - lions head
Visão da cidade do topo da Table Mountain

Nesta foto acima, dá para ver bem outras duas montanhas famosas em Cape Town: a Lion's Head (essa primeira que tem tipo uma pirâmide no topo) e Signal Hill (que é a sequência mais baixa da Lion's Head)

Saindo da Table Mountain, partimos pro Bo Kaap que é um bairro onde vivem os descendentes de escravos da Malásia, Indonésia e África. Um tempo depois os islâmicos e mulçumanos chegaram ao local e construiram algumas mesquitas, fazendo com que o bairro seja conhecido como islâmico, que é a religião da maioria dos moradores. 

O bairro é cheio de casinhas coloridas. Uma graça!

bo kaap - o que fazer em cape town - africa do sul
Bo Kaap e suas casinhas fofas
bo kaap - o que fazer em cape town - africa do sul

No caminho para o Company's Gardens passamos pelo centro, onde se encontra o atual prédio do governo e as duas sedes antigas. Na verdade o primeiro é um castelo que foi construído em 1666 pela Companhia das Índias Oriental Holandesa, é o prédio mais antigo da África do Sul e agora é sede militar e museu militar. O segundo é a antiga prefeitura (City Hall) e onde Nelson Mandela fez seu primeiro discurso como homem livre em 1990, e hoje em dia é um local que acontece eventos culturais. E o outro prédio é mais moderno e chamado de Centro Cívico. 

castelo - o que fazer em cape town - africa do sul
Castelo

Mais homenagens, agora em frente ao City Hall. Tinha também uma tenda com computadores e livros onde era possível escrever um bilhete a Madiba. 

city hall - o que fazer em cape town - africa do sul
City Hall e objetos em homenagem a Mandela
city hall - o que fazer em cape town - africa do sul

city hall - o que fazer em cape town - africa do sul
O bilhete

Daí fomos para o Company's Garden, um parque e jardim botânico aberto ao público. Os moradores vão pra lá fazer pic nics, aproveitar o dia ou o final da tarde pós trabalho. Super agradável! 

É o jardim mais antigo do país e tem esse nome devido a Companhia das Índias Oriental Holandesas que começaram a cultivar como horta para abastecer seus navios que passavam pela região.

Ao redor há importantes pontos de cultura e história como o Iziko Slave Lodge, um  alojamento de escravos, o atual Parlamento, Catedral de São Jorge, museus e bibliotecas. 

company's garden - o que fazer em cape town - africa do sul
Catedral de São Jorge
company's garden - o que fazer em cape town - africa do sul
Company's Garden

Após o nosso city tour, fomos terminar nosso dia no Waterfront. Estávamos morrendo de fome e fomos direto procurar o Baía, restaurante famoso e super indicado por todas as pessoas que falamos durante a viagem. Ele fica meio escondido, a entrada é dentro do shopping, no segundo andar (infelizmento não lembro em qual entrada, mas é de frente pro mar).

Ele faz o estilo mais arrumadinho, mas turista tem muitos momentos cara de pau e fomos vestidos do jeito que estávamos mesmo. 

Baía restaurante - cape town - cafrica do sul - onde comer
Nós no Baía

De entrada fomos de lulas com lagostim e carpaccio de peixe. O prato principal foi yellowfin tuna, que é um tipo de atum (sim, eu amo atum) e o outro foi peixe grelhado com lagosta. Pra finalizar, sobremesa de trio de cremes brûlée e pudim com sorvete com umas torradas doces com amêndoas crocantes com chantilly e morango, mara!!!!

Baía restaurante - cape town - cafrica do sul - onde comer
Lulas com lagostim
Baía restaurante - cape town - cafrica do sul - onde comer
Carpaccio de peixe

Baía restaurante - cape town - cafrica do sul - onde comer
Yellowfin tuna
Baía restaurante - cape town - cafrica do sul - onde comer
Peixe com lagosta

Baía restaurante - cape town - cafrica do sul - onde comer
Sobremesa mara!!!

Não temos foto dos cremes brûlée porque acabaram com eles antes de lembrarmos de tirar a foto! Sorry!

Por mais que todos falem que a comida do Baía é incrível e gostosona e bla bla bla, não foi tão gostosa e maravilhosamente saborosa quanto o Harbour House. Salvo essa sobremesa aí de cima, que realmente estava deusa!

Ah, e sim, saimos rolando sem respirar!


DIA 3

Dia de acordar super cedo, tomar um ótimo café da manhã e partir ás 9h da manhã direto para as vinículas e encher a cara de vinho. YEY \0/\0/!! Vamos á rota do vinho!! Em Cape Town exitem várias regiões produtoras de vinhos. Fomos em 3 das mais conhecidas: Paarl, Stellenbosch e Franschhoek. 

De Cape Town até chegarmos ao nosso primeiro gole de vinho demorou de 40min a 1h (não lembro ao certo, tava conversando, perdi a noção!).

A primeira vinícola foi a Anura que fica em Klapmuts, entre Paarl e Stellenbosch. Lá degustamos 6 tipos de vinhos e alguns queijos com umas 3 geléias produzidas na própia vinícola. A geléia de cabernet sauvignon é super gostosa, já os vinhos... hunf :(

Lembrando que não sou nenhuma sommelier ou enóloga, simplesmente eu gosto bastante de beber vinhos (enófila)!

cape town - o que fazer - vinicolas - anura - stellenbosh
Área de degustação da Anura

De uma vinícola para outra, chegamos à Boekenhoutskloof! Com esse nome, que é prarticamente um xingamento sujo de tão difícil de falar, essa foi a melhor das 3 vinícolas que fomos. É super bonitinha e tem os melhores vinhos. Experimentamos 6, esses indicados na foto abaixo com a bolinha pintada:

cape town - o que fazer - vinicolas - Boekenhoutskloof - franshhoek
Vinhos da Boekenhoutskloof

Gostamos dos que estão marcados com seta. Levamos o The Chocolate Block para casa, bem marcante, frutado e temperado com chocolate amargo! 70% syrah, 13% cabernet sauvignon, 10% grenache, 6% cinsault e 1% viognier. Ótimo :)

Essa vinícola é na região de Franschhoek.

cape town - o que fazer - vinicolas - Boekenhoutskloof - franshhoek
Visual da vinícola Boekenhoutskloof

cape town - o que fazer - vinicolas - Boekenhoutskloof - franshhoek

Ainda na região de Franschhoek, depois de 12 vinhos e somente o café da manhã e alguns queijos com geléia no estômago, fomos almoçar para podermos continuar na pose! Escolhi o Reuben's por já ter ouvido falar super bem da comida e do chef, e realmente não decepcionou. Sem dizer que o lugar é uma gracinha (tipo Hebe!)

Infelizmente não tenho nenhuma foto dos pratos que pedimos (só uma na real), acredito que seja o efeito do vinho na mente! Simplesmente esqueci e devorei!! Mas garanto que a comida é super delícia!

Como o cardápio muda diariamente, não achei exatamente o que comemos no site do restaurante. Mas vou tentar lembrar: eu, Simone e Victor comemos kingklip (peixe típico das águas profundas da África do Sul), com purê de tomare e vegetais grelhados, Seu Jorge foi de ravioli de queijo de cabra, o Zé foi de frango com camarão ao curry e arroz de açafrão (disse ele que estava bem apimentado) e nossa super guia Sônia comeu gnochi de não lembro o quê! As sobremesas: eu só lembro que tanto o Seu Jorge como o Zé pediram algum tipo de bolo que vinha amarula (a única foto que tenho), eu comi uma torta de pistache com um monte de coisa agregada no prato e a Simone não faço idéia!! 

cape town - onde comer - restaurantes - reuben's - franshhoek
Sobremesa do Seu Jorge e do Zé

Agora com as barriguinhas cheias, partimos para a terceira e última degustação do dia rumo á Stellenbosch. Lá fomos a vinícula Tokara, que pareceu ser maior que as outras e mais moderna. Tem uma área verde com as vinhas bem bonita, um restaurante e rola exposições de arte, assim que chegamos tinha uma instalação de uma árvore branca com várias frases positivas, a Árvore da Vida, e na parte interna tinham quadros pintados com vinho.  

cape town - vinicolas - o que fazer - tokara - stellenbosh - africa do sul
Área verde com vinhas

Nessa não havia um menu fechado com os vinhos a serem provados, aqui você escolhia dentre algumas opções quais e quantos experimentar. Acho que experimentei uns três e levamos pra casa o Director's Reserve 2010 Red, 72% cabernet sauvignon, 15% merlot, 10% petit verdot e 3% malbec. Tanino! Tanino!

 

E a pinotage Kell? A uva tão famosa e emblemática da África do Sul?

Então, não trouxe nenhum vinho pinotage pois não achei nenhum que eu tenha gostado, o que me deixou extremamente frustrada já que, um dos vinhos que mais gosto e tento achar por aí é o Beyers Truter Pinotage 2009 com selo do Tesco. Conheci esse vinho quando morei em Praga e ele era a minha desculpa para ir ao mercado. 

Óoooobvio que ele é africano e que eu poderia encontrá-lo com mais facilidade na África do Sul, mas não achei! Também não fui à vinícola Beyerskloof que é do tal Beyers Truter, o fundador e presidente da Associação do Pinotage! E muito menos fui a algum Tesco! (tem Tesco na África??)

Gente, eu juro que pensei que fosse trazer umas 10 garrafas de vinho, sendo 7 de pinotage! Pobrezinha...

 

Depois da Tokara demos uma volta por Stellenbosch, que é uma cidade universitária lindinha. Tem várias casas tombadas em estilo holandês. Pena que não tenho fotos boas, pois estávamos no carro, mas é um lugar que vale a pena ficar 2 dias hospedado. 

 

Após o passeio por Stellenbosch, pegamos a estrada de volta para Cape Town. A estrada é linda, cheia de arvores e montanhas.

cape town - stellenbosh - africa do sul
Estrada verde

Chegando em Cape town, ficamos no Waterfront para terminar o dia (sim, amamos ficar no Waterfront ;p). Lá demos mais umas voltas e compramos umas coisinhas. Pra fechar, fomos ao nosso restaurante preferido, o Harbour House, mas dessa vez na parte superior, onde tem um sushi bar. Pedi uma salada de atum e salmão que estava uma delícia, mas algo estava super apimentado, ainda nao sei se era o wasabi ou se no shoyo tinha pimenta. Tive que pedir uma(s) cerveja(s) pra ajudar no calor!


DIA 4

Mais um dia acordando cedo (daqui pra frente acordaremos mais cedo ainda! Aguarde o safári!!) em direção à Cape Peninsula. Fomos pela orla da cidade e o primeiro ponto de parada foi a praia de Camps Bay onde se encontra os 12 Apóstolos, formação rochosa com 12 picos, mas teve momentos que contei 10 e outros que contei 13 ou 11. Coisa louca! Bem bonito. Na real, as formações rochosas de Cape Town são bem bonitas, assim como as praias. 

12 Apóstolos ao fundo
12 Apóstolos ao fundo

Seguindo a estrada, fomos à Hout Bay onde está a Ilha das Focas. Pegamos um barco (R70 = R$16 adultos / R25 = R$6 crianças) para encontrar com as fofuras. O passeio dura 1 hora no máximo. 


Super fofas né? 

Seguindo rumo á Península do Cabo, pegamos uma estrada super orgásmica para todos os fotógrafos, a Chapman's Peak. Que estrada linda de se ver! Vê-se todo o mar, as formações rochosas. Maravilha! Foi cavada na rocha, como a estrada da Costa Amalfitana (outro lugar sonho!) na Itália.  É pra ver e deslumbrar! Ah, tem muitas curvas. Muitas!

Caso vente muito ou chova demais, talvez a estrada feche por ser super perigosa devido ao risco de desabamento de terra e pedras. Lembrando que em Cape Town venta demais!!!! É uma estrada que começou a ser construída em 1915 e ficou fechada por mais de uma década e foi reaberta em 2009, após várias obras que ainda estão sendo feitas.

Em 1988 um acidente ficou super famoso devido ao motorista sobreviver a uma queda de 100 metros dirigindo um Mercedez Benz e sair ileso. A empresa aproveitou o caso e fez um comercial a respeito. A BMW de boba-não-tem-nada, fez um comercial-resposta ao acidente (que eu achei fenomenal!). Olha aí abaixo os vídeos:


Visual da Chapman's Peak
Visual da Chapman's Peak
Chapman's Peak Drive
Chapman's Peak Drive
Chapman's Peak Drive
Chapman's Peak Drive

Praia de Noordhoek
Praia de Noordhoek

Continuando rumo ao Cabo da Boa Esperança, fomos direto à uma fazenda de avestruzes que, sinceramente, não tem nada demais além de alimentar os bichos e fazer compras relacionadas a ave, tipo ovos pintados e bolsas.

Eu alimentando os bichinhos
Eu alimentando os bichinhos
Seu Jorge também se atreveu
Seu Jorge também se atreveu

Alguns amiguinhos no caminho para alegrar mais a viagem...

Babuínos nadando
Babuínos nadando
Família de avestruzes passeando
Família de avestruzes passeando

E chegamos ao Cabo da Boa Esperança!

cape-town-o-que-fazer-cabo-da-boa-esperança-africa-do-sul
Cabo da Boa Esperança!

Nesse ponto só tem a placa pra tirar a famosa foto, anda-se mais um pouquinho de carro para chegar até a pontinha propriamente dita.


Chegando no Cape Point tem um funicular que vai até o farol, uma lojinha e um restaurante. Como estávamos mortos de fome, fomos ao Two Oceans e comemos uns frutos do mar sensacionais ;) Tudo super fresquinho e bem feito. Não lembro o nome exato do prato, mas no cardápio tem a versão pra uma e pra duas pessoas. Pedimos pra duas pessoas e comeram quatro! Super satisfeitos. Pedimos vinho que leva o nome da casa, ele é vendido no Brasil, aqui no RJ tem no Pão de Açúcar.

Nhamyyy
Nhamyyy

Alimentados, subimos o funicular até o farol e vislumbramos a vista estonteante e o encontro dos oceanos Atlântico e Índico.

O ingresso ida e volta custa R52 = R$12.

O farol
O farol
Subindo até o farol
Subindo até o farol
A ponta
A ponta

Agora é hora de volar à Cape Town, mas antes disso fomos ver os pinguins em Bolder's Beach que fica em Simon's Town, uma cidade portuária e onde se encontra a base naval da África do Sul.

R55 = R$13 adulto / R25 = R$6 criança

Qual que eu levo pra casa gente??
Qual que eu levo pra casa gente??


Essa foi nossa última parada. Mas no carro passamos por uma rua em Simon's Town chamada St George Street que lembra bem a arquitetura e estilo de New Orleans. 

 

Passamos também por Fish Hoek, uma praia que fica em False Bay, uma baía infestada de tubarões! Tem tanto tubarão no mar de Cape Town, que há um programa de alerta onde são posicionados pontos estratégicos ao longo da costa: nas montanhas homens treinados usam binóculos e óculos de sol polarizados procurando por tubarões. Um ponto se comunica com outro por rádio, e caso um tubarão seja visto na praia uma sirene é acionada e uma bandeira branca com um tubarão preto é hasteada.

Existem quatro cores de bandeira: toda verde - livre de tubarão, toda preta - sem condições de ver o mar direito, vermelha com tubarão branco - sinal de alerta e branca com tubarão preto - melhor sair correndo! 

Além de Fish Hoek, mais quatro praias participam desse programa o ano inteiro, e mais três praias periodicamente.

Fora os pontos de alertas, em Fish Hoek também foi instalada uma rede de proteção.

Os vídeos abaixo mostram alguns passeios dos tubarões pela praia:


Já que falei em tubarões e False Bay, não poderia deixar de citar a False Bay Seal Island Reserve que é, conforme o nome diz, uma ilha de focas. Ela fica centrada na baía e assim como tem muitas focas lindas e fofas tem muitos tubarões. Uma das maiores concentrações de tubarões do mundo! Essa ilha é maior e com mais focas que a ilha falada lá encima. 

Sabe aqueles vídeos, que passam no Discovery Chanel, onde os tubarões dão grandes saltos e praticamente vooam no ar? Fica aqui!!

A baía tem uma super profundidade, o que permite aos tubarões fazer essa façanha. Olha aí:


INFOS

- Moeda: Rand Africano 

 

- Fuso horário: 5 horas a mais que Brasília. 

 

- Brasileiros não necessitam de visto até 90 dias (turismo e/ou negócios), basta apenas apresentar o passaporte com validade de até 1 (um) mês (da data de retorno ao Brasil), com pelo menos 1 (uma) página em branco

 

- Necessário apresentar o CIV (Certificado Internacional da Vacina) contra febre amarela, que deve ser tomada pelo menos 10 dias antes do embarque

 

- Empresa que fechamos o pacote: Adventure Club (nossa agente foi a Natasha, super mega fofa e atenciosa)

 

- Os transfers foram fechados com a Adventure Club e realizado pela Kobo Safaris.

 

- Os passeios foram fechados com a Nomad (agente Fernanda) e realizados pela Kobo Safaris (guia Adriano - city tour) e Cape Turismo (guia Sônia - vinícolas e Cabo da Boa Esperança).

 

- Hotel Southern Sun Waterfront

Compartilha, deixa a notícia viajar por aí, vai!



Dá uma olhadinha aqui ó:

Mauritius

Paris - transporte

Safári - Kruger Area


Comments: 3 (Discussion closed)
  • #1

    Isabel (Tuesday, 14 January 2014 21:00)

    Que viagem linda,que privilégio,quanta gratidão deve sentir...obrigada por compartilhar conosco! Espero que 2014 seja um ano de muitas viagens para se encantar e nos inspirar! Um forte abraço!

  • #2

    Lugar Certo Imóveis (Thursday, 10 April 2014 16:03)

    Eu que não nadaria nesse Mar infestado de Tubarões !

    http://www.lugarcertoimoveis.com.br

  • #3

    Fernanda Scafi (Monday, 25 August 2014 11:58)

    Estive em Cape Town em fevereiro/março desse ano e não esperava muita coisa da cidade - por falta de informação mesmo! Depois que voltei, já escrevi + de 20 posts sobre a cidade e ainda faltam as vinícolas! hehehe http://taindopraonde.blogspot.com.br/search/label/Cidade%20do%20Cabo