Mauritius

Por Rachel Duarte

Saímos de Hoedspruit (aeroporto da parte central da região do Kruger) ás 13:50h chegando em Joburg ás 14:55h. Mais conexão de voos para coleção! Depois de horas mofando no aeroporto, nosso voo teria saída ás 23:50h, só saímos ás 1h chegando em Mauritius ás 7:00h. Não preciso nem dizer que estávamos no bagaço, mortos, cansados e exautos!

No aeroporto de Mauritius fomos recepcionados por uma representante da Concorde que nos levou até o hotel. Todos os motoristas (eu também perguntei ao que nos levou de volta ao aeroporto) dizem que até a área dos hotéis demora uns 25 minutos pra chegar. Mentira, demora 1 hora!!! No caminho vê-se várias plantações de cana-de-açucar - que é destinada à produção de açúcar (que também é exportado para Europa), energia e rhum, além de frutas e vegetais e formações rochosas. 

São três línguas faladas: inglês, francês e crioulo. A maior parte da população é indiana e a religião predominante é o hinduísmo.

mauritius - ilhas mauricio - ilhas mauricias - o que fazer
Detalhe de um templo hindu

Na estrada
Na estrada

Ficamos no Emeraude Beach Hotel, no bairro de Belle Mare, onde estão grande parte dos hotéis. O Emeraude lembra uma pousada, um estilo mais praiano, mais despojado. Aqui também é pensão completa, mas com bebidas incluídas (de alcóolica só cerveja de 11h ás 23h e uma taça de vinho - horrível - no jantar). 

Ao chegarmos, nos levaram para tomar café da manhã enquanto arrumavam nosso quarto - eu queria matar um!!! Que café da manhã o que??? Não queria café nenhum, queria dormir, eu tava a cara da derrota gente! Seu Jorge adorou, comeu tudo que tinha direito, e eu somente uma coca-cola!

Depois dormimos, jantamos e aproveitamos um pouco da noite no hotel.

DIA 1

Depois de descançar bastante, nosso primeiro dia foi como a gente queria depois de tantos dias acordando cedo: preguiçoso!! Acordamos tarde e depois do café da manhã - dessa vez eu comi! - fomos à praia em frente ao hotel. A praia de Belle Mare não é privada, mas o hotel dispõem espreguiçadeiras para os hóspedes, além de um garçom nos servindo (não tão frequente como gostaríamos).

Espreguiçadeiras do hotel
Espreguiçadeiras do hotel

Ficamos um tempo desfrutando desse mar quentinho, com essa cor incrível e fomos almoçar. O almoço, como o café da manhã e o jantar, é no esquema de buffet. 

Depois fomos para a piscina, bebemos, dormimos, fizemos nada e quando vimos já era hora de jantar! Que vida vagabunda!! 

Na hora do jantar, teve um pequeno show de música indiana com dançarinas e percursionistas.

DIA 2

[ALERTA ARREPENDIMENTO]

Assim como eu me arrependi em ter andado nas costas de um elefante durante um safári, como já contei nesse post, esse aqui é um outro momento vergonhoso pelo qual vivi. 

Lugar de animal é no seu habitat natural. Caso tenhamos a vontade em vê-los de perto, nós que devemos ir até eles em seus territórios e não colocá-los em um local que seja conveniente para nós seres humanos. Isso alimenta o tráfico de animais, separa filhotes das mães, impossibilita os bichos de voltarem para o mundo selvagem no qual eles pertencem, abala o psicológico, muitos são dopados... uma série de coisas completamente irresponsáveis, desumanas e inaceitáveis de serem defendidas, financiadas e incentivadas por nós.

Como no post sobre o elefante, nesse aqui também não vou apagar a matéria e as fotos. Vou deixar porque admitir e mostrar nossos erros é humano, natural e ajuda as outras pessoas a pensarem no assunto (pelo menos assim espero). 

O zoológico de Luján, na Argentina, é um desses ambientes onde as pessoas interagem fisicamente com os animais. O blog Viaje na viajem abordou sobre o tema: Zoológico de Luján: por que não recomendamos a visita.

Hoje resolvemos acordar cedo para ver leões! Ás 8:30h da manhã partimos rumo ao Casela, um parque tipo zoológico onde podem ser feitas algumas atividades, como tirolesa, dirigir buggy ou quadricículo, andar com felinos entre outras coisas. Resolvemos andar com os leões (lógicamente) e dirigir o quadricículo entre alguns animais. 

Do hotel até o Casela durou em torno de uma hora a viagem. Chegando ao parque, pegamos nossos tíquetes (entrada MUR360 = R$29 + andar com leões MUR3000 = R$235 + buggy MUR1840 = R$144 todos adultos e crianças são o mesmo valor) e fomos direto ao ponto onde se pega um ônibus o parque em direção ao local dos leões. 

A caminhada com os leões dura uma hora, tudo é gravado e filmado e se você quiser paga (não lembro quanto) e pega o material no final do passeio. É bem legal, dá pra ver que os bichos não estão dopados, só são adestrados mesmo. Todos são obrigados a usar uma espécie de cajado, pois só assim, conforme foi explicado pelo guia, que os leões respeitam a gente - foi dessa maneira que eles foram adestrados. E finalmente consegui ver um leão de perto na África!!


Pegando no rabinho
Pegando no rabinho


Depois dos leões fomos andar de quadriciclo. Confesso que é muito mais legal pra quem tá dirigindo do que pra quem é carona, eu comi poeira sem ter a emoção de dirigir, tive que segurar duas bolsas e uma máquina fotográfica, cair em todos os buracos que faziam questão de cair (né Seu Jorge?) e de vez em quando tirar foto do que aparecia pelo caminho. Seu Jorge parecia uma criança de 7 anos!! Hahahaha muito engraçado, soltava até uns "uhuls" em alguns momentos!!!


No caminho vimos alguns bichos como uma tartaruga enorme, uns avestruzes e zebras.


Por volta das 16h voltamos por hotel, descançamos, jantamos, bebemos, aproveitamos e dormimos. 

DIA 3

Igualzinho ao dia 1: preguiça total de tudo!!! Praia-piscina, dormir, piscina-praia! Poderíamos ter feito algum passeio, a própria Concorde forece alguns, como ir à ilhas, conhecer a cidade, mas são bem caros e de verdade? A gente não tava com vontade. A gente queria vadiar mesmo! Hahaha

DIA 4

Dia de ir embora :( 

Ás 17h começamos a nos preparar para voltar pra casa. Primeiro faríamos uma conexão em Joburg, dormindo por lá. 

Nosso voo foi ás 20:30h e chegamos as 23:05h em Joburg. A essa hora não tinha mais o carro para fazer o transfer de cortesia do hotel, então pegamos um taxi. Chegando no quarto, foi só banho e cama, ás 10:10h do dia seguinte partiria nosso voo para São Paulo. 


IMPRESSÕES

Viajar à África foi incrível, me deu mais vontade de ir em outras regiões explorar tudo que o continente tem a oferecer. 

Cape Town é um lugar que merece mais que 4 dias, eu ficaria fácil lá pelo menos 2 semanas. Faltou fazer a Rota Jardim, nadar com os pinguins, assistir de pertos os grandes saltos dos tubarões, ver as baleias em Hermanus, ir aos museus, Jardim Botânico... muita coisa. Ficou com gostinho de quero mais.

Ir ao Safári foi um sonho realizado. Amei andar no elefante, foi lindo!! Só aumentou mais ainda minha vontade pela aventura de jogar mais com os bichos.

Eu não sou uma pessoa de praia, então Mauritius foi OK pra mim. Foi mais pra relaxar mesmo, e conseguimos fazer isso lá :)

Agora quero ir para Tanzania e ver o animais no parque de Serengeti ou no Kenya em Masai Mara, ver gorilas no Congo ou em Uganda. Ir pra Madagascar, Seychelles e Zanzibar. 

Que venha mais África!!!


INFOS

- Moeda: Rúpia Mauriciana

 

- Fuso horário: 7 horas a mais que Brasília

 

- Necessário visto para permanência de até 90 dias e poderá ser obtido na chegada ao país - sem custo. O passaporte deve ter quatro páginas em branco lado a lado 

 

- Necessário apresentar o CIV (Certificado Internacional da Vacina) contra febre amarela, que deve ser tomada pelo menos 10 dias antes do embarque

 

- Empresa que fechamos o pacote: Adventure Club (nossa agente foi a Natasha, super mega fofa e atenciosa)

 

- Os transfers foram fechados com a Adventure Club e realizado pela Concorde (também fez o passeio até o Casela)

 

- Hotel Emeraude Beach Hotel

Compartilha, deixa a notícia viajar por aí, vai!



Dá uma olhadinha aqui ó:

Paris - comer

Paris - hospedagem

Safári - Kruger Area